15 de fev de 2009

Manual de Semiótica

António Fidalgo
Anabela Gradim

Capítulo 1

Semiótica e comunicação

1.1 Sinais e signos. Aproximação aos conceitos de signo e de semiótica.

1.1.1 Os sinais chamados sinais


Em português dá-se o nome de sinal a coisas assaz diferentes.
Temos os sinais da pele, os sinais de trânsito, o sinal da cruz, o
sinal de pagamento. Uma pergunta que se pode fazer é o que
têm de comum para poderem ter o mesmo nome. Com efeito, o
mesmo nome dado a coisas diferentes normalmente significa que
essas coisas têm algo em comum. Se chamamos pessoa tanto a
um bebé do sexo feminino como a um homem velho é porque
consideramos que têm algo de comum, nomeadamente o ser pessoa.
Que as coisas atrás chamadas sinais são diferentes umas das
outras não sofre contestação. Os sinais da pele são naturais, os
sinais de trânsito são artefactos, o sinal da cruz não é uma coisa
que exista por si, é um gesto que só existe quando se faz, e o sinal
de pagamento é algo, que pode ser muita coisa, normalmente dinheiro, que se entrega a alguém como garantia de que se lhe há-de pagar o resto. Que há então de comum a estas coisas para terem o mesmo nome? A resposta deve ser buscada na análise de cada uma delas. [Ler mais...] > [pdf]




UBI – PORTUGAL
www.ubi.pt
2004/2005